terça-feira, abril 05, 2011

R.

“Escrever é tão intimo, tão pessoal, tão meu – que, vou culpar-me pelo resto de minha vida por tê-lo deixado presenciar isto. Mas o amor me perdoa. (...)”